SEJAM BEM VINDOS AO RESGATE DE SUA CONSCIÊNCIA CRIADORA - PLANETÁRIA E CÓSMICA

"VIVENDO NO ETERNO MOMENTO DO AGORA"

sábado, 28 de maio de 2011

Texto 1 - EGO, O FALSO CENTRO


   "O primeiro ponto a ser compreendido é o ego.
      Uma criança nasce sem qualquer conhecimento, sem qualquer consciência de seu próprio eu. E quando uma criança nasce, a primeira coisa da qual ela se torna consciente não é ela mesma; a primeira coisa da qual ela se torna consciente é o outro. Isso é natural, porque os olhos se abrem para fora, as mãos tocam os outros, os ouvidos escutam os outros, a língua saboreia a comida e o nariz cheira o exterior. Todos esses sentidos abrem-se para fora. O nascimento é isso.
     Nascimento significa vir a esse mundo: o mundo exterior. Assim, quando uma criança nasce, ela nasce nesse mundo. Ela abre os olhos e vê os outros. O outro significa o tu.
      Ela primeiro se torna consciente da mãe. Então, pouco a pouco, ela se torna consciente de seu próprio corpo. Esse também é o 'outro', também pertence ao mundo. Ela está com fome e passa a sentir o corpo; quando sua necessidade é satisfeita, ela esquece o corpo. É dessa maneira que a criança cresce.
      Primeiro ela se torna consciente do você, do tu, do outro, e então, pouco a pouco, contrastando com você, com tu, ela se torna consciente de si mesma.
      Essa consciência é uma consciência refletida. Ela não está consciente de quem ela é. Ela está simplesmente consciente da mãe e do que ela pensa a seu respeito. Se a mãe sorri, se a mãe aprecia a criança, se diz 'você é bonita', se ela a abraça e a beija, a criança sente-se bem a respeito de si mesma. Assim, um ego começa a nascer.
      Através da apreciação, do amor, do cuidado, ela sente que é ela boa, ela sente que tem valor, ela sente que tem importância. Um centro está nascendo. Mas esse centro é um centro refletido. Ele não é o ser verdadeiro. A criança não sabe quem ela é; ela simplesmente sabe o que os outros pensa a seu respeito.
      E esse é o ego: o reflexo, aquilo que os outros pensam. Se ninguém pensa que ela tem alguma utilidade, se ninguém a aprecia, se ninguém lhe sorri, então, também, um ego nasce - um ego doente, triste, rejeitado, como uma ferida, sentindo-se inferior, sem valor. Isso também é ego. Isso também é um reflexo.
      Primeiro a mãe. A mãe, no início, significa o mundo. Depois os outros se juntarão à mãe, e o mundo irá crescendo. E quanto mais o mundo cresce, mais complexo o ego se torna, porque muitas opiniões dos outros são refletidas.
      O ego é um fenômeno cumulativo, um subproduto do viver com os outros. Se uma criança vive totalmente sozinha, ela nunca chegará a desenvolver um ego. Mas isso não vai ajudar. Ela permanecerá como um animal. Isso não significa que ela virá a conhecer o seu verdadeiro eu, não.
      O verdadeiro só pode ser conhecido através do falso, portanto, o ego é uma necessidade. Temos que passar por ele. Ele é uma disciplina. O verdadeiro só pode ser conhecido através da ilusão. Você não pode conhecer a verdade diretamente. Primeiro você tem que conhecer aquilo que não é verdadeiro. Primeiro você tem que encontrar o falso. Através desse encontro, você se torna capaz de conhecer a verdade. Se você conhece o falso como falso, a verdade nascerá em você.
      O ego é uma necessidade; é uma necessidade social, é um subproduto social. A sociedade significa tudo o que está ao seu redor, não você, mas tudo aquilo que o rodeia. Tudo, menos você, é a sociedade. E todos refletem. Você irá à escola e o professor refletirá quem você é. Você fará amizade com as outras crianças e elas refletirão quem você é. Pouco a pouco, todos estarão adicionando algo ao seu ego, e todos estarão tentando modificá-lo, de modo que você não se torne um problema para a sociedade.
      Eles não estão interessados em você. Eles estão interessados na sociedade. A sociedade está interessada nela mesma, e é assim que deveria ser. Eles não estão interessados no fato de que você deveria se tornar um conhecedor de si mesmo. Interessa-lhes que você se torne uma peça eficiente no mecanismo da sociedade. Você deveria ajustar-se ao padrão.
      Assim, estão interessados em dar-lhe um ego que se ajuste à sociedade. Ensinam-lhe a moralidade. Moralidade significa dar-lhe um ego que se ajuste à sociedade. Se você for imoral, você será sempre um desajustado em um lugar ou outro...
      Moralidade significa simplesmente que você deve se ajustar à sociedade. Se a sociedade estiver em guerra, a moralidade muda. Se a sociedade estiver em paz, existe uma moralidade diferente. A moralidade é uma política social. É diplomacia. E toda criança deve ser educada de tal forma que ela se ajuste à sociedade; e isso é tudo, porque a sociedade está interessada em membros eficientes. A sociedade não está interessada no fato de que você deveria chegar ao auto-conhecimento.
      A sociedade cria um ego porque o ego pode ser controlado e manipulado. O eu nunca pode ser controlado e manipulado. Nunca se ouviu dizer que a sociedade estivesse controlando o eu - não é possível.
      E a criança necessita de um centro; a criança está absolutamente inconsciente de seu próprio centro. A sociedade lhe dá um centro e a criança pouco a pouco fica convencida de que esse é o seu centro, o ego dado pela sociedade.
      Uma criança volta para casa. Se ela foi o primeiro lugar de sua sala, a família inteira fica feliz. Você a abraça e beija; você a coloca sobre os ombros e começa a dançar e diz 'que linda criança! você é um motivo de orgulho para nós.' Você está dando um ego para ela, um ego sutil. E se a criança chega em casa abatida, fracassada, foi um fiasco na sala - ela não passou de ano ou tirou o último lugar, então ninguém a aprecia e a criança se sente rejeitada. Ela tentará com mais afinco na próxima vez, porque o centro se sente abalado.
      O ego está sempre abalado, sempre à procura de alimento, de alguém que o aprecie. E é por isso que você está continuamente pedindo atenção.
      Você obtém dos outros a idéia de quem você é.  Não é uma experiência direta.
      É dos outros que você obtém a idéia de quem você é. Eles modelam o seu centro. Mas esse centro é falso, enquanto que o centro verdadeiro está dentro de você. O centro verdadeiro não é da conta de ninguém. Ninguém o modela. Você vem com ele. Você nasce com ele.
      Assim, você tem dois centros. Um centro com o qual você vem, que lhe é dado pela própria existência. Esse é o eu. E o outro centro, que é criado pela sociedade - o ego. Esse é algo falso -  é um grande truque. Através do ego a sociedade está controlando você. Você tem que se comportar de uma certa maneira, porque somente assim a sociedade irá apreciá-lo. Você tem que caminhar de uma certa maneira; você tem que rir de uma certa maneira; você tem que seguir determinadas condutas, uma moralidade, um código. Somente assim a sociedade o apreciará, e se ela não o fizer, o seu ego ficará abalado. E quando o ego fica abalado, você já não sabe onde está, você já não sabe quem você é.
      Os outros deram-lhe a idéia. E essa idéia é o ego. Tente entendê-lo o mais profundamente possível, porque ele tem que ser jogado fora. E a não ser que você o jogue fora, nunca será capaz de alcançar o eu. Por estar viciado no falso centro, você não pode se mover, e você não pode olhar para o eu. E lembre-se: vai haver um período intermediário, um intervalo, quando o ego estará se despedaçando, quando você não saberá quem você é, quando você não saberá para onde está indo; quando todos os limites se dissolverão. Você estará simplesmente confuso, um caos.
      Devido a esse caos, você tem medo de perder o ego. Mas tem que ser assim. Temos que passar através do caos antes de atingir o centro verdadeiro. E se você for ousado, o período será curto. Se você for medroso e novamente cair no ego, e novamente começar a ajeitá-lo, então, o período pode ser muito, muito longo; muitas vidas podem ser desperdiçadas...
      Até mesmo o fato de ser infeliz lhe dá a sensação de "eu sou". Afastando-se do que é conhecido, o medo toma conta; você começa sentir medo da escuridão e do caos - porque a sociedade conseguiu clarear uma pequena parte de seu ser... É o mesmo que penetrar numa floresta. Você faz uma pequena clareira, você limpa um pedaço de terra, você faz um cercado, você faz uma pequena cabana; você faz um pequeno jardim, um gramado, e você sente-se bem. Além de sua cerca - a floresta, a selva. Mas aqui dentro tudo está bem: você planejou tudo.
      Foi assim que aconteceu. A sociedade abriu uma pequena clareira em sua consciência. Ela limpou apenas uma pequena parte completamente, e cercou-a. Tudo está bem ali. Todas as suas universidades estão fazendo isso. Toda a cultura e todo o condicionamento visam apenas limpar uma parte, para que ali você possa se sentir em casa.
      E então você passa a sentir medo. Além da cerca existe perigo.
      Além da cerca você é, tal como você é dentro da cerca -  e sua mente consciente é apenas uma parte, um décimo de todo o seu ser. Nove décimos estão aguardando no escuro. E dentro desses nove décimos, em algum lugar, o seu centro verdadeiro está oculto.
      Precisamos ser ousados, corajosos. Precisamos dar um passo para o desconhecido.
      Por um certo tempo, todos os limite ficarão perdidos. Por um certo tempo, você vai se sentir atordoado. Por um certo tempo, você vai se sentir muito amedrontado e abalado, como se tivesse havido um terremoto.
      Mas se você for corajoso e não voltar para trás, se você não voltar a cair no ego, mas for sempre em frente, existe um centro oculto dentro de você, um centro que você tem carregado por muitas vidas. Esse centro é a sua alma, o eu.
      Uma vez que você se aproxime dele, tudo muda, tudo volta a se assentar novamente. Mas agora esse assentamento não é feito pela sociedade. Agora, tudo se torna um cosmos e não um caos, nasce uma nova ordem. Mas essa não é a ordem da sociedade - essa é a própria ordem da existência.
      É o que Buda chama de Dhamma, Lao Tzu chama de Tao, Heráclito chama de Logos. Não é feita pelo homem. É a própria ordem da existência. Então, de repente tudo volta a ficar belo, e pela primeira vez, realmente belo, porque as coisas feitas pelo homem não podem ser belas. No máximo você pode esconder a feiúra delas, isso é tudo. Você pode enfeitá-las, mas elas nunca podem ser belas...
      O ego tem uma certa qualidade: a de que ele está morto. Ele é de plástico. E é muito fácil obtê-lo, porque os outros o dão a você. Você não precisa procurar por ele; a busca não é necessária. Por isso, a menos que você se torne um buscador à procura do desconhecido, você ainda não terá se tornado um indivíduo. Você é simplesmente mais um na multidão. Você é apenas uma turba. Se você não tem um centro autêntico, como pode ser um indivíduo?
      O ego não é individual. O ego é um fenômeno social - ele é a sociedade, não é você. Mas ele lhe dá um papel na sociedade, uma posição na sociedade. E se você ficar satisfeito com ele, você perderá toda a oportunidade de encontrar o eu. E por isso você é tão infeliz. Como você pode ser feliz com uma vida de plástico? Como você pode estar em êxtase ser bem-aventurado com uma vida falsa?  E esse ego cria muitos tormentos. O ego é o inferno. Sempre que você estiver sofrendo, tente simplesmente observar e analisar, e você descobrirá que, em algum lugar, o ego é a causa do sofrimento. E o ego segue encontrando motivos para sofrer...
      E assim as pessoas se tornam dependentes, umas das outras. É uma profunda escravidão. O ego tem que ser um escravo. Ele depende dos outros. E somente uma pessoa que não tenha ego é, pela primeira vez, um mestre; ele deixa de ser um escravo.
      Tente entender isso. E comece a procurar o ego - não nos outros, isso não é da sua conta, mas em você. Toda vez que se sentir infeliz, imediatamente feche os olhos e tente descobrir de onde a infelicidade está vindo, e você sempre descobrirá que o falso centro entrou em choque com alguém.
      Você esperava algo e isso não aconteceu. Você espera algo e justamente o contrário aconteceu - seu ego fica estremecido, você fica infeliz. Simplesmente olhe, sempre que estiver infeliz, tente descobrir a razão.
      As causas não estão fora de você.
      A causa básica está dentro de você - mas você sempre olha para fora, você sempre pergunta: 'Quem está me tornando infeliz?' 'Quem está causando a minha raiva?' 'Quem está causando a minha angústia?'
      Se você olhar para fora, você não perceberá. Simplesmente feche os olhos e sempre olhe para dentro. A origem de toda a infelicidade, da raiva e da angústia, está oculta dentro de você, é o seu ego.
      E se você encontrar a origem, será fácil ir além dela. Se você puder ver que é o seu próprio ego que lhe causa problemas, você vai preferir abandoná-lo - porque ninguém é capaz de carregar a origem da infelicidade, uma vez que a tenha entendido.
      Mas lembre-se, não há necessidade de abandonar o ego. Você não o pode abandonar. E se você tentar abandoná-lo, simplesmente estará conseguindo um outro ego mais sutil, que diz: 'tornei-me humilde'...
      Todo o caminho em direção ao divino, ao supremo, tem que passar através desse território do ego. O falso tem que ser entendido como falso. A origem da miséria tem que ser entendida como a origem da miséria - então ela simplesmente desaparece. Quando você sabe que ele é o veneno, ele desaparece. Quando você sabe que ele é o fogo, ele desaparece. Quando você sabe que esse é o inferno, ele desaparece.
      E então você nunca diz: 'eu abandonei o ego'. Você simplesmente irá rir de toda essa história, dessa piada, pois você era o criador de toda essa infelicidade...
      É difícil ver o próprio ego. É muito fácil ver o ego nos outros. Mas esse não é o ponto, você não os pode ajudar.
      Tente ver o seu próprio ego. Simplesmente o observe.
      Não tenha pressa em abandoná-lo, simplesmente o observe. Quanto mais você observa, mais capaz você se torna. De repente, um dia, você simplesmente percebe que ele desapareceu. E quando ele desaparece por si mesmo, somente então ele realmente desaparece. Porque não existe outra maneira. Você não pode abandoná-lo antes do tempo. Ele cai exatamente como uma folha seca.
      Quando você tiver amadurecido através da compreensão, da consciência, e tiver sentido com totalidade que o ego é a causa de toda a sua infelicidade, um dia você simplesmente vê a folha seca caindo... e então o verdadeiro centro surge.
      E esse centro verdadeiro é a alma, o eu, o deus, a verdade, ou como quiser chamá-lo. Você pode lhe dar qualquer nome, aquele que preferir."
                                                                                  OSHO, Além das Fronteiras da Mente.
Copyright © 2006 OSHO INTERNATIONAL FOUNDATION, Suiça.
Todos os direitos reservados.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

INFORMATIVO

MEDITAÇÃO DE WESAK

                                           















 fonte -  Google imagens

No dia 17 de maio faremos nossa meditação às 19:30 hrs
no Espaço de Yoga Anahata
Rua Diamantina 211 - (entrada pela lateral rua Equador)
Bairro Floresta - Joinville -SC
Fone (47) 3426-2303
( procure vir com vestes brancas e traga flores)

No próximo sábado 21/05/11 às 09:30 hrs encontro para O RESGATE

Muita Luz
Eliana

FESTIVAL DE WESAK - 17 DE MAIO DE 2011

FESTIVAL DE WESAK
LUA CHEIA DE TOURO
17 DE MAIO DE 2011
PLENILUNIO: 8:10hs
(Horario de Brasilia)



O Festival de Wesak - também conhecido como o Festival da Iluminação - é o Festival de Buda, o intermediário entre o Centro Espiritual mais elevado, Shambala, e a Hierarquia.

Buda personifica a expressão da Sabedoria de Deus, da Luz, é Indicador do Propósito Divino. É o grande Festival do Oriente e um dos mais importantes festivais da Lua Cheia. Este Festival ocorre quando o Sol está no signo de Touro.

Wesak é uma festa da libertação do despertar e da transfiguração, a jornada de volta ao lar. Promove uma ponte entre a humanidade e espiritualidade, e o equilíbrio entre o Eu Inferior e Superior.

A Lua na Astrologia significa o inconsciente, o porão, como também, nossa ligação com o passado e emoções, quer sejam boas ou ruins. É através do signo lunar que descobrimos como reagimos frente às circunstâncias da vida, emocionalmente. Quando o grande luminar, o Sol, ilumina plenamente a Lua, é um indicativo de um alinhamento livre entre nosso Planeta - o Sol - e o "Centro Solar" a fonte de energia de toda nossa terra, e neste momento podemos iluminar as sombras.

Nesta fase de Plenilúnio podemos fazer uma aproximação mais definida com Deus e o Amor, Poder e Sabedoria, centralizados em nosso coração, representados pela chama trina que fica em evidência quando meditamos.

É positivo que em toda Lua Cheia, pudéssemos nos alinhar com as forças cósmicas superiores através de nossos Mestres e anjos, como também da hierarquia da Grande Fraternidade Branca, a fim de entrarmos em contato com a essência deste evento mensal.

- A LENDA DE WESAK -

O Festival de Wesak é uma celebração anual, que acontece no momento do Plenilúnio de Touro, quando a bênção de Deus é transmitida à Terra, por intermédio de Buda e de Seu Irmão, o Cristo.

Paralelamente ao acontecimento espiritual interno, tem lugar a cerimônia física externa, num pequeno vale do Tibet, no Himalaia. O sonho, lenda ou acontecimento pode ser descrito da seguinte forma:

Existe um vale, situado ao pé do Himalaia tibetano, numa altitude bem elevada, rodeado por montanhas, exceto na face nordeste, onde existe uma abertura estreita. Esse vale tem a forma de uma garrafa, com o gargalo voltado para nordeste, abrindo-se para o sul. No extremo norte, perto da abertura, há uma grande rocha plana. As encostas das montanhas estão cobertas de árvores, mas no vale não há árvores nem arbustos – ele está coberto por um tapete de pasto duro.

No momento do Plenilúnio de Touro, começam a chegar peregrinos, homens santos e lamas, que vão ocupando a parte sul e central, deixando o extremo nordeste relativamente livre. Ali, segundo diz a lenda, se congrega um grupo de Grandes Seres que são os custódios, na Terra, do Plano de Deus para o nosso planeta e para a humanidade. Com sua sabedoria, amor e conhecimento, formam uma muralha protetora para a nossa raça, tratando de guiar-nos da escuridão para a luz, do irreal para o real, e da morte para a imortalidade.

Este grupo de conhecedores da divindade se coloca nos limites do vale, em círculos concêntricos, de acordo com o grau de desenvolvimento iniciático, preparando-se para um grande Ato de Serviço.

Diante da rocha e voltados para nordeste, se encontram – em níveis etéricos – os Seres chamados “Os Três Grandes Senhores”: o Cristo, que se situa no centro; o Senhor das formas viventes, o Manú, que se situa à direita; e o Senhor da Civilização, o Mestre Rakoczi, que se encontra à esquerda. Sobre a rocha descansa um vaso de cristal cheio de água.

Atrás do grupo de Mestres, Adeptos, iniciados e trabalhadores adiantados no Plano de Deus, se situam os discípulos e aspirantes do mundo, em seus diversos graus e grupos – aqueles que, nesta época, constituem o Novo Grupo de Servidores do Mundo. Alguns estão presentes em corpo físico e chegam por meios comuns; outros estão presentes em seus corpos espirituais e em estado de sonho.

Ao se aproximar o momento da Lua Cheia, produz-se uma grande quietude entre a multidão e todos voltam o olhar para o nordeste. A um sinal dado, os Grandes Seres formam três círculos concêntricos e começam a cantar.

Quando o cântico se aprofunda e ganha mais ritmo, os Visitantes etéricos se materializam e uma figura gloriosa se torna visível no centro dos círculos, a qual é chamada por vários nomes: Senhor Maitreya, Bodhisattva, Cristo, Senhor da Paz e do Amor. É o Mestre de todos os Mestres que formam a Hierarquia planetária para levar a cabo o propósito divino deste planeta.

O Cristo aparece vestido com um manto branco puro, Seu cabelo caindo em ondas sobre seus ombros. Ele tem o Cetro de Poder em Sua mão, o qual lhe foi dado pelo Ancião dos Dias para esta ocasião. Nenhum Mestre pode tocá-lo, salvo o Cristo, o Mestre de todos os Mestres. Em cada extremo deste Cetro de Poder, há uma grande empunhadura de diamante, que irradia uma aura azul e alaranjada de grande beleza. Os Iniciados que estão nos três círculos focalizam-no no centro e, quando Ele se torna mais visível, todos Eles se inclinam e cantam um mantra de saudação e afirmação.

Em seguida, estes círculos transformam-se num só círculo e uma cruz, em cujo centro está o Cristo. Aqui novamente o cântico comove os corações e as almas dos presentes, e descem mais alegria, paz e bênçãos sobre a multidão.

O próximo movimento é o triângulo dentro do círculo, em cujo ápice está o Cristo. Ele está de pé perto da pedra e coloca o Cetro de Poder sobre ela.

Na rocha, se vê o vaso de cristal com ornamentações douradas e grinaldas de flores de loto que cobrem a rocha e pendem de todos os cantos.

Depois Eles realizam outro movimento, que é um triângulo com três ovais que se entrelaçam no centro do mesmo, onde está o Cristo. O movimento seguinte é una estrela de seis pontas e, depois a estrela do Cristo: o pentagrama ou estrela de cinco pontas. Aqui o Cristo está no ápice, perto da pedra; à sua direita, o Manú; à sua esquerda, o Mestre Rakoczi; um Grande Ser no centro e outros dois Grandes nas pontas inferiores da estrela.

Estão presentes os regentes de todos os tipos de energia: os Mestres Morya, Koot Humi, Veneziano, Serapis, Hilarion, Jesus, e Iniciados, discípulos e aspirantes espirituais; e então o cântico cria uma grande tensão na multidão e Cristo, tomando o Cetro de Poder que estava na pedra, levanta-o e diz: - “Pronto, Senhor, venha..."

Em seguida, coloca novamente seu Cetro de Poder sobre a pedra durante uns poucos momentos antes da Lua Cheia, e os olhos de todos os presentes se voltam para a pedra. A expectativa da multidão aumenta e a tensão torna-se maior e continua crescendo. Através da multidão, parece sentir-se um estímulo ou vibração potente, que tem o efeito de despertar as almas dos presentes, fundindo e unificando o grupo, elevando a todos e realizando-se uma grande ação de demanda, ânsia e expectativa espiritual. É a culminação da aspiração do mundo que se acha enfocada neste grupo expectante.

Poucos minutos antes da hora exata, em que tem lugar o Plenilúnio, se divisa ao longe um pequeno ponto de luz no céu, que ao se aproximar, vai se transformando numa silhueta nítida, que adquire a forma do Buda sentado em sua clássica posição de loto, envolto em Seu manto cor de açafrão, banhado em luz e cor, e com sua mão direita levantada, abençoando a todos. Quando Ele chega num ponto sobre a rocha, Cristo entoa A Grande Invocação e todos os presentes caem prostrados tocando a Terra com suas frontes.


LINK YOUTUBE

Esta Grande Invocação cria uma corrente estupenda de energia que inunda os corações dos aspirantes, discípulos e Iniciados, e chega... a Deus.

Este é o momento mais sagrado do ano, o momento em que a humanidade e a Divindade tomam contato. No momento exato da Lua Cheia, o Buda passa a Cristo a energia do primeiro raio – Vontade – que Cristo recebe e transforma em Vontade ao Bem.

Cristo é o grande celebrante, estende Suas mãos, pega o vaso, levanta-o sobre Sua cabeça e logo coloca-o de novo sobre a pedra. Então, os Mestres cantam hinos sagrados e o Buda, o Grande Iluminado, depois de abençoar a multidão, desaparece lentamente no espaço.

Toda a cerimônia da bênção, desde que Buda aparece ao longe, até o momento em que desaparece, dura apenas 8 minutos. O sacrifício anual que Buda realiza pela humanidade se conclui, quando Ele retornar a esse lugar no alto, onde trabalha e espera.

O Senhor Buda possui sua modalidade especial de energia, que Ele derrama sobre nós, ao abençoar o mundo. Esta bênção é maravilhosamente excepcional, por sua autoridade e categoria, pois Buda tem acesso a planos da natureza que não estão ao alcance da humanidade; e portanto, pode transmutar e transferir ao nosso plano a energia de planos superiores. Sem a mediação de Buda, esta energia não seria aproveitável, pois sua vibração é muito elevada e nos é impossível percebê-la nos planos físico, emocional e mental. Assim, a energia que Buda difunde, através da sua bênção, encontra canais por onde circular, levando alento e paz àqueles que são capazes de recebê-la.

Ano após ano, Buda regressa para distribuir Sua bênção e a mesma cerimônia se repete. Cada ano, Ele e Seu Irmão, o Cristo, trabalham em íntima colaboração para beneficio espiritual da humanidade. Nestes dois Grandes Filhos de Deus concentraram-se dois aspectos da Vida Divina. Através do Buda, flui a Sabedoria de Deus; através do Cristo, o Amor de Deus se manifesta à humanidade, derramando-se sobre ela na Lua Cheia de Touro.

Nesse momento são possíveis grandes expansões de consciência. Os discípulos e iniciados de todas as partes podem ser ajudados e estimulados espiritualmente, a fim de que possam penetrar conscientemente nos mistérios do Reino de Deus.

Continuando a lenda, quando o Buda desaparece, a multidão se põe em pé e Cristo distribui a água bendita aos Iniciados e a todos que estão presentes no vale. Esta linda “cerimônia da comunhão da água” nos insinua simbolicamente, que a Nova Era já está sobre nós, a Era de Aquário, a do “Portador da Água”. A água magnetizada pela presença de Buda e Cristo contém certas propriedades curativas. Depois da bênção, a multidão se dispersa silenciosamente, encaminhando-se para seus lugares de serviço.

Tal é a *lenda* por trás deste Festival, e também, tal é a *realidade*, se nos atrevermos a acreditar nela e se nossas mentes estiverem suficientemente abertas e nossos corações suficientemente expectantes, para reconhecermos sua possibilidade. Esta idéia requer que ajustemos algumas de nossas crenças mais caras. Mas, se puder ser captada e compreendida, surgirá em nossa consciência a possibilidade de a raça humana se conscientizar de sua própria divindade, podendo desenvolver uma Ciência de Aproximação às Forças da Vida e a verdades mais profundas, que ainda estão ocultas.

Homens e mulheres do mundo, guiados em uníssono por Buda, que trouxe a Luz ao Oriente, e por Cristo, que revelou a Luz ao Ocidente, podem pedir e evocar uma bênção e revelação espiritual tão intensas, que num futuro imediato poderá se manifestar aquilo a que a humanidade tanto aspira: “paz na Terra e boa vontade entre os homens”.

Desta maneira, podemos introduzir uma Era de fraternidade e compreensão que permitirá ao homem dispor de mais tempo para se dedicar a buscar Deus por si mesmo.

Podemos participar do Festival de Wesak através do jejum, da oração ou da meditação grupal. Recitar tanto quanto possível a Grande Invocação nos dois dias que antecedem o Festival e nos dois dias posteriores. O ideal é recitá-la ao amanhecer, ao meio-dia, às cinco da tarde, ao anoitecer e no momento exato do Plenilúnio. Manter-se em estado de permanente atenção e serena.

_____________________________________

Tradução do texto: “versión libre de varios autores: Alice A. Bailey, Torkom Saraydariam, C.W. Leadbeater” encontrado no site www.sabiduriarcana.org  

“Nenhum preço que nos seja exigido será demasiadamente alto para sermos útil à Hierarquia no momento da Lua Cheia de Touro, o Festival de Wesak. Nenhum preço é demasiadamente alto para obtermos a iluminação espiritual possível, particularmente neste momento.”
Djwhal Khul.

Fonte: http://www.luzcristica.com/eventos/wesak.htm
_______________________________________

sexta-feira, 13 de maio de 2011

REGOZIJAR-SE É A ÚNICA ATIVIDADE QUE FAZ SENTIDO

Idioma original: Português
http://blogsintese.blogspot.com/
Respeite os créditos
Posted: 11 May 2011 07:15 AM PDT
Mensagem de Saul
por John Smallman
em 11 de maio de 2011

A humanidade está em um dos mais importantes estágios no seu processo de despertar.
No tempo - que, como tem se mostrado, é ilusório - vocês estão adormecidos e experimentando medo, sofrimentos, miséria geral e infelicidade por tempo demais.
Quando vocês escolheram criar a ilusão, no momento em que vocês tomaram a decisão de continuar com ela, seu Pai, sabendo de quanta angústia ela lhes causaria, imediatamente providenciou o antídoto, a cura.
Isto garante que vocês não se prejudiquem e que o caminho de volta para a Realidade, a eterna união com Ele, esteja imediatamente disponível para vocês assim que escolherem, como sem dúvida vocês escolherão, ficarem conscientes e permitirem que a ilusão se dissolva, mostrando-lhes que vocês estão, como sempre estiveram e estarão, eternamente em Casa com Ele.
O tempo que vocês gastam fazendo de conta que estão separados d'Ele e sozinhos na ilusão parece ser interminável, porque ser Um com Ele é o seu estado natural de felicidade, e qualquer outro estado, mesmo se pudesse existir, somente poderia ser extremamente penoso.
Vocês são eternamente Um com Deus em perfeição divina.
Tentar imaginar ou criar qualquer outro estado somente poderia lhes provocar dor, que é o que vocês estão experimentando.
As boas novas é que a ilusão é ilusória, e vocês não podem falhar em despertar quando ela se dissolver e desaparecer.
Vocês são divinamente cuidados porque vocês são divinamente amados, e vocês são divinamente protegidos do mal.
Regozijar-se é a única atividade que faz sentido; qualquer outra, se ela fosse possível, apenas perturbaria seu eterno estado de felicidade.
Mas o seu eterno estado de felicidade não pode ser perturbado, e sua única opção sensata, portanto, é regozijar-se.
Regozijar-se é reconhecer sua unidade com Deus, de Quem a separação é impossível.
Ao regozijarem-se, vocês intensificam e fortalecem o processo de despertar da humanidade, que é impulsionado pelo Amor de seu Pai por vocês e pelo seu Amor por Ele.
O desabrochamento de sua compreensão disto está lhes tornando aparente que Ele ama toda a criação d'Ele, sem exceção, e que consequentemente, vocês também devem amar.
Esta consciência está se espalhando rapidamente, e as barreiras ilusórias que vocês criaram para se separarem uns dos outros numa tentativa irracional de se protegerem estão começando a se desintegrar.
Sim, há alguns que manteriam e fortaleceriam essas barreiras, mas a insanidade dessa atitude está se tornando cada vez mais clara para todos.
Todos vocês são Um com seu Pai Celestial, e quaisquer tentativas de criar barreiras para separar aqueles que vocês julgam como bons (os escolhidos de Deus) daqueles que vocês julgam como maus (aqueles que Ele, em sua opinião, condenaria ao inferno) não fazem qualquer sentido.
Julgar as agendas egoicas dos outros como erradas e as suas próprias como certas somente serve para demonstrar a total insuficiência da sua capacidade de ver claramente, sem falar na de entender o que vocês fizeram quando imaginaram a ilusão, fizeram de conta que ela existia e então escolheram viver nela.
A separação de Deus e entre si que vocês tentaram criar somente poderia provocar dor, porque "estar separado" significa "não conhecer", e vocês têm medo e desconfiam daquilo que vocês não conhecem.
É isto que vocês estão experimentando por éons na ilusão, e a insanidade de tudo isso finalmente está chamando sua atenção.
Está se tornando cada vez mais óbvio que o que vocês estão experimentando é algum tipo de brincadeira de extremo mau gosto.
Não tem como isto ser Real!
Somente Deus e Seu infinito Amor, do qual vocês são elementos essenciais, são Reais.
Nada mais existe ou faz o menor sentido.
Então se regozijem!
Vocês não podem falhar em despertar na Realidade, esse divino estado de eterna harmonia e felicidade no qual vocês existem permanentemente, sem interrupção.
Com muito amor, Saul.

Fonte: http://johnsmallman.wordpress.com/
Tradução: SINTESE
http://blogsintese.blogspot.com/
Respeite os créditos

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Dúvidas?

Se você deseja saber mais informações sobre as últimas postagens, encontrará todas as informações a respeito de todos os protocolos e mensagens dos Mestres no  http://leiturasdaluz.blogspot.com ou
www.autresdimensions.com. ver também em Leituras para os filhos da Luz na minha lista de Blogs

Eu sou UM AMIGO.


Do meu Coração ao seu Coração, em Amor e em Alegria, e em Paz.
Bem amados Irmãos humanos encarnados, desde pouco tempo, eu lhes disse que o conjunto de ensinamentos dos diferentes Yogas terminou.
Eu posso mesmo dizer, hoje, que tudo o que era importante dar-lhes, nesses tempos preparatórios (que isso seja sob forma de Vibrações, de palavras, de ensinamentos), o foi.
Resta, agora, estabelecerem-se, vocês mesmos, integralmente, no Si.
Portanto, minha Presença, doravante, como a Presença de outros Anciãos ou de outras Estrelas, terá apenas como objetivo final, permitir aproximarem-se de sua Eternidade.
Eu venho, entretanto, terminar e completar o que eu havia dito, desde alguns meses, e desde pouco tempo também, sobre a Cruz Crística Anterior, estabelecida entre o Eixo AL-OD e CLAREZA-PRECISÃO.
***

Protocolo -Liberação dos Apegos Coletivos-Autres Dimension

  • Importante a partir de maio de 2011


  • Os apegos coletivos são diretamente religados às estruturas do cérebro ditas reptilianas, agindo junto a todo ser humano, além da vivência individual ou de qualquer construção inicial.

    Trata-se, portanto, assim como o instinto de sobrevivência, de dados inscritos na espécie e não mais ligados a uma vivência pessoal e individual.

    Esses apegos exprimem-se através dos esquemas disfuncionais precoces, construções neuronais e comportamentais vindas dos primeiros arquétipos reencontrados.

    Se a alma vive esses arquétipos de maneira harmoniosa, as construções serão, elas também, harmoniosas.

    Se o reencontro com o arquétipo traduz-se por um medo ou por um perigo qualquer, a construção tornar-se-á desarmoniosa.

    O arquétipo é então vivido como potencialmente perigoso levando, ao nível do cérebro reptiliano, estratégias específicas chamadas submissão, esquiva ou negociação, fazendo com que, a cada reencontro de situações análogas, a pessoa, num modo totalmente inconsciente, vai se ver ditar suas ações e comportamentos pelas ditas construções e estratégias que se tornam, então, inadequadas.

    Essas estratégias são ditadas por nosso cérebro arcaico e escapam a um controle consciente neocortical.
    Essa visão foi desenvolvida na abordagem psicológica dita cognitivo-comportamental.

    Por exemplo, se uma pessoa recebeu, durante sua educação, a injunção comportamental frequente de lavar as mãos, ela vai desenvolver uma das estratégias seguintes:

    Submissão: ela lava frequente as mãos.

    Esquiva: ela não toca nada que possa sujar as mãos. A estratégia, aqui, será evitar encontrar-se confrontada ao engrama inicial, de modo análogo.

    Negociação: ela leva luvas ou não consegue decidir-se entre lavar as mãos ou não tocar. Há, aqui, alternância, sem fim, entre a submissão e a esquiva.

    Durante o período atual de transição e de Ascensão, aqueles que nos acompanham de outros planos propõem-nos participar do conjunto da liberação da totalidade dos engramas de confinamento da humanidade.

    Cinco deles (descritos abaixo) são fundamentais e prioritários durante este período, neste objetivo específico de liberação dos apegos coletivos.

    Os cristais são ferramentas particularmente eficazes para descristalizar esses esquemas disfuncionais precoces, apoios dos apegos coletivos.


    Apegos (afetivos)
     
    Indicador comportamental: Sentir-se escravo de seus apegos afetivos (pesados, densos) e/ou ter dificuldades para fazer o luto de uma pessoa querida que desapareceu (ou o extremo oposto).
    4 Rodocrositas


    Apegos (materiais)

    Indicador comportamental: A necessidade de prender-se às posses é mórbida. O medo de perder o dinheiro ou os bens predomina. A necessidade de acumular é incontrolável (ou o extremo oposto).
    4 Quartzos esfumaçados (fumes)


    Apegos (no sentido global)

    Indicador comportamental: Pessoa que manifesta apegos excessivos a qualquer coisa ou pessoa. O corolário sendo uma dificuldade e uma resistência às mudanças bastante marcada (ou o extremo oposto).
    4 Celestitas


    Síndrome de abandono e de perda

    Indicador comportamental: Sentimento de perda e de abandono no que diz respeito tanto a uma pessoa, a uma situação, a um objeto,... considerado como importante (ou o extremo oposto).4 Calcedônias claras


    Medos arquetípicos

    Indicador comportamental: Personalidades atrofiadas, restritas, onde o medo de sua própria vida e/ou de uma desgraça próxima «que deve chegar» é onipresente (ou o extremo oposto).
    4 Obsidianas olho celeste


    PROTOCOLOS

    Colocar ao solo 4 cristais idênticos, a aproximadamente 50cm do eixo do corpo, que constituem como uma cruz (um cristal à frente, o segundo atrás, o terceiro à esquerda, o quarto à direita).
    Os dois eixos cruzam-se na vertical do corpo.
    Cada eixo tem um comprimento igual de aproximadamente 50cm.

    Sentar-se ao centro dessa cruz de cristais, braços e pernas descruzados, as mãos colocadas sobre as coxas, palmas para o Céu.
    Permanecer de olhos fechados, em silêncio, durante o 
    mínimo de 30 minutos e o máximo de 1 hora.

    A renovar de 4 a 6 vezes pelo tipo de apego deixando um período mínimo de três dias para o mesmo apego.

    Os cinco podem ser realizados, em alternância, mas fazendo um único protocolo por dia e respeitando o prazo de três dias para o mesmo protocolo.


    __________________
    Compartilhamos estas informações em toda transparência. Obrigado por fazer do mesmo modo, se deseja divulgá-lo, reproduza a integralidade do texto e cite sua fonte: www.autresdimensions.com.

    Versão do francês: Célia G. http://leiturasdaluz.blogspot.com

    PROTOCOLO – YOGA INTEGRATIVO

    Publicado em 12 de abril, pelo site AUTRES DIMENSIONS.

    As Cruzes Mutáveis das Estrelas – PRIORITÁRIO EM ABRIL

    ACOMPANHAR O FLUXO DA VIDA

    Mensagem de Aurora por Karen Downing 08 de maio de 2011

    Por tanto tempo a humanidade tem se esforçado, trabalhado, tentado, andado no que parece ser areia movediça. Começando neste mês, haverá uma mudança bem-vinda conforme muitas almas começarem a entrar no próximo nível de seu plano de vida.
    Claro que houve muito trabalho para chegar a este ponto e haverá ainda alguns baques e aprendizados pelo caminho. Entretanto, este tempo sinalizará novas sincronicidades e sensações de ser empurrado para a direção certa por alguma força invisível linda e poderosa.

    Aqueles que estão prontos para assumir seu papel mais público começarão a assumi-lo e as coisas parecerão se alinhar como elas nunca se alinharam.
    É especialmente importante durante este tempo ouvir e confiar em sua intuição.
    É por isso que tantas almas têm eliminado a dúvida, a preocupação e a ansiedade, todas as coisas relacionadas a não confiança em si mesmo e/ou no Espírito.
    Para avançar, torna-se essencial que cada alma aprenda a confiar nas mensagens intuitivas que recebe. Sem essa confiança incondicional, vocês podem criar uma resistência inconsciente às suas próprias metas.
    Imaginem essa resistência como um elástico gigantesco; se ele não for removido, ele pode fazê-los voltar para trás, para o passado ou para o pensamento que não mais serve ao seu bem maior.
    Quaisquer pedaços remanescentes desta energia de dúvida emergirão este mês para serem liberados. Uma vez liberados, vocês estarão livres para seguirem em frente, acompanhados pela linda energia nova que está chegando todos os dias.
    Como normalmente se diz: "Peçam e receberão"
    Se vocês sempre sentem que não sabem o que vem a seguir, ou têm dificuldade com este estado de absoluta confiança, simplesmente peçam-nos um sinal ou indicação e nós lhes proporcionaremos a resposta que vocês precisam.
    Todas as respostas estão ao seu redor e em como vocês se sentem.
    Quando vocês começam a sentir que estão se afastando emocional ou vibratoriamente de uma pessoa ou local, isto se dá porque vocês estão sendo preparados para mudarem para a próxima oportunidade.
    Vocês também precisam se lembrar de que as oportunidades são aquilo que vocês as transformam e se vocês ouvirem às vozes da dúvida e da resistência, então isto pode alterar algumas das escolhas que vocês fazem.
    Isto não significa que a oportunidade irá embora, mas ela pode ser alterada de alguma forma, ou vocês podem precisar aprender mais sobre confiança e paciência e aguardar que essa oportunidade retorne.
    Atenção no que se passa ao seu redor:
    Quais mensagens vocês ouviram na loja hoje?
    Quais outdoors vocês viram no caminho para casa?
    Um estranho lhes disse que é hora de se retirar?
    Vocês viram um furgão rodando num local incomum?
    Estes são sinais do Universo e eles estão aí para ajudá-los a responder suas perguntas sobre o que vem a seguir. É como uma mão gentil lhes apontado o caminho conforme seu caminho se revela para vocês.
    Imaginem o seu caminho de vida como um quarto cheio de dominós. Assim que vocês estiverem prontos, abram a porta desse quarto e pim... pim... pim... os dominós caem um por um, cada um deles engatilhando as oportunidades e as possibilidades seguintes.
    Em breve, cada dominó começa a entrar no lugar sem vocês saberem como nem por quê. Sim, leva um tempo para esses dominós se ajeitarem e posicionarem na posição correta para o seu sucesso; mas agora é hora de sentarem-se e deixarem-nos entrar no lugar e simplesmente acompanhar o fluxo da vida.
    Amor,
    Aurora
    ______________________________________

    Fonte: http://lightworkers.org/
    Tradução para De Coração a Coração:
    Selene - sintesis@ajato.com.br /
    http://stelalecocq.blogspot.com/
    ___________________________________